VENCER A LUTA ÍNTIMA

Ó Deus
Suspiro por encontrar a verdadeira senda por onde andar, para ir ao encontro de um bom destino, para chegar a me realizar, para ter grande paz e entendimento das coisas.
Falta-me, no entanto disposição e coragem pra vencer as limitações. Preciso de forças poderosas que me ergam, arrastem e sustentem na luta íntima.
Rogo-te, ó Deus, as energias que façam isso, e deixem para trás o nefasto, o imprestável; os pensamentos que me levantem, levem ao principal, ao certo e não priorizem o que é secundário e transitório. Fortalece-me, para eu descobrir quais as ações proveitosas, quais os meios de alcançar a paz, e como ser plenamente satisfeito com a vida.
Toca a minha mente com profundidade, para que eu tenha forças ante os problemas, e saiba comandar os meus dias.
Aperta-me nas lições, se preciso, e faze de mim o que quiseres, pois tudo é para o meu bem.
Obrigado, Deus, muito obrigado!

Fonte: Livro “ Deus Ajuda” – Autor: Lourival Lopes

A ORAÇÃO DO JUSTO

“A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” (Tiago, 5:16)

Considerando as ondas do desejo, em sua força vital, todo impulso e todo anseio constituem também orações que partem da Natureza.

O verme que se arrasta com dificuldade, no fundo está rogando recursos de locomoção mais fácil.

A loba, cariciando o filhote, no imo do ser permanece implorando lições de amor que lhe modifiquem a expressão selvagem.

O homem primitivo, adorando o trovão, nos recessos da alma pede explicações da Divindade, de maneira a educar os impulsos de fé.

Todas as necessidades do mundo, traduzidas no esforço dos seres viventes, valem por súplicas das criaturas ao Criador e Pai.

Por isso mesmo, se o desejo do homem bom é uma prece, o propósito do homem mau ou desequilibrado é também uma rogativa.

Ainda aqui, porém, temos a lei da densidade específica.

Atira uma pedra ao vizinho e o projétil será imediatamente atraído para baixo.

Deixa cair algumas gotas de perfume sobre a fronte de teu irmão e o aroma se espalhará na atmosfera.

Liberta uma serpente e ela procurará uma toca.

Solta uma andorinha e ela buscará a altura.

Minerais, vegetais, animais e almas humanas estão pedindo habitualmente, e a Providência Divina, através da Natureza, vive sempre respondendo.

Há processos de solução demorada e respostas que levam séculos para descerem dos Céus à Terra.

Mas de todas as orações que se elevam para o Alto, o apóstolo destaca a do homem justo como sendo revestida de intenso poder.

É que a consciência reta, no ajustamento à Lei, já conquistou amizades e intercessões numerosas.

Quem ajunta amigos, amontoa amor. Quem amontoa amor, acumula poder.

Aprende, assim, a agir com justiça e bondade e teus rogos subirão sem entraves, amparados pelos veículos da simpatia e da gratidão, porque o justo, em verdade, onde estiver, é sempre um cooperador de Deus.

Emmanuel

Fonte: Livro “Fonte Viva” – Psicografia Francisco Cândido Xavier

PEDRAS

As dificuldades de qualquer natureza são sempre pedras simbólicas, asfixiando-nos as melhores esperanças do dia, do ideal, do trabalho ou do destino, que recebemos na glória do tempo.

É necessário saber tratá-las com prudência, serenidade e sabedoria.

Há diversos modos de considerar os obstáculos, removendo-os ou aproveitando-os.

O preguiçoso recebe os calhaus da luta e estende-se no caminho, sucumbindo ao seu peso. É o espírito desanimado, indolente e enfermiço.

O desesperado, em se sentindo sob os granizos da sorte, confia-se à intemperança mental e atira-os ao viandante inocente ou à porta de companheiros inofensivos. É o espírito indisciplinado, renitente e impulsivo, que sabe apenas ferir o próximo ou denegri-lo com atitudes impensadas ou levianas.

O homem inteligente, todavia, recebe as pedras da experiência e, ainda mesmo sangrando as mãos ou o coração, recolhe-as, cuidadoso, valendo-se delas para a confecção de utilidades ou para a construção de edifícios consagrados ao agasalho, ao reconforto ou à benemerência, em favor dele mesmo, e de quantos o acompanham na marcha evolutiva.

Ninguém passará ileso nos caminhos do mundo.

As pedras da incompreensão e da dor, no ambiente comum da existência carnal, chovem sobre todos.

Do entendimento e da conduta de cada um dependerão a felicidade ou o infortúnio, na laboriosa romagem terrestre.

Emmanuel

Fonte: Livro: ” VIDA EM VIDA” – Por Espíritos Diversos – Psicografia de Francisco Cândido Xavier

ESTAR SÓ

Permita-se, vez por outra, estar só.

Desconecte-se momentaneamente das pessoas, dos ambientes rotineiros, das preocupações e, refugiando-se em si, tente perceber-se.

Verifique suas carências, avalie o que de fato é vital para o seu bem-estar e o que se trata de ilusão, coisa passageira, perfeitamente contornável.

Há quem não consiga por breves instantes que seja, ficar a sós, transparecendo ser insuportável a própria companhia.

Naturalmente porque arrasta questões emocionais ainda não resolvidas.

Estar só implica priorizar-se, ouvir-se, conversar consigo, amar-se, até para que possa estar de forma plena com os outros.

Não receie se encontrar consigo.

Mate as saudades do velho amigo que há dentro de você, abraçando-se, aceitando-se, amando-se.

Somente assim você poderá estar inteiro em suas relações e ser muito mais feliz do que tem sido.

Fonte: Livro “Convivendo com Você” – Autor: Cézar Braga Said

DEVERIA

Sempre tenho escolhas.

A maioria de nós tem ideias tolas sobre quem somos e um excesso de normas rígidas sobre como a vida deveria ser vivida. Vamos retirar a palavra “deveria” de nosso vocabulário para sempre, pois ela nos faz prisioneiros.

Cada vez que usamos “deveria” estamos nos responsabilizando ou a outra pessoa por um erro.

É como se de fato disséssemos: “Não sou bom o bastante para conseguir isso.”

O que pode ser tirado já da sua lista de “deveria”.

Substitua a palavra “deveria” por “poderia”.

Este poderia deixa-o saber que você tem escolhas, e escolher implica liberdade.

Precisamos estar plenamente consciente de que tudo o que fazemos na vida é por nossa própria escolha. Não somos obrigado a nada.

Opte por acreditar que é fácil mudar um pensamento ou padrão de conduta.

Fonte: Livro “ Pensamentos do Coração” – Autora: Louise L.Hay