AMIZADE

msg 2912

Amigo é coisa para se guardar, do lado esquerdo do peito. Assim falava a canção de Milton Nascimento.
“Quando criamos amigos é por que não sabemos viver sozinhos e que a importância de ter amigos é essencial para nos espelharmos e nos refletirmos em alguém, criando assim , uma identidade emocional e auxiliando no processo de autoconhecimento. A amizade pressupõe cumplicidade ou seja, estás com o outro, reconhecendo e aceitando as diferenças.” ( diz o psicoterapeuta e professor Brenno Rosostolato ).
Por ser derivada do amor, a amizade é o laço que se estende da existência matéria a vida na dimensão espiritual e vice-versa.
Como a vida é eterna por isso os laços de amizade sincera não irão se desfazer.
“ Um dia reencontraremos aqueles de quem fomos amigos, conforme o grau de afinidade e a sintonia vibratória.”
Ofereço está página a dois grandes amigos que estão no andar de cima :
Valdelice Ribeiro e Francisco de Assis Andrade

Abraços Fraternos
Yolanda Barros

Mensagem de Yolanda Barros  em 18/12/2013

PLURALIDADE DAS EXISTÊNCIAS

msg 2812

Kardec pergunta aos Espíritos:
Nas Suas diferentes encarnações, o homem conserva traços do caráter físico das existências anteriores?

“O corpo é destruído e o novo nenhuma relação tem com o antigo. No entanto, o Espírito se reflete no corpo; certamente, o corpo é apenas matéria; porém, apesar disso, ele é modelado conforme as capacidades do espírito, que lhe imprime um certo caráter, principalmente no semblante, sendo pois com razão que se apontam os olhos como o espelho da alma.
Por que há pessoas, excessivamente feia, que no entanto tem alguma coisa que agrada, quando encarnam um espírito bom, sensato, humano, enquanto há belos semblantes que nenhuma impressão te causam, ou até mesmo provocam a repulsão.
Poderias acreditar que apenas corpos bem feitos fossem o envoltório dos espíritos mais perfeitos, ao passo que, todos os dias, encontras homens de bem, sob aparências disformes.
Sem ter uma semelhança pronunciada, a similitude dos gostos e dos pendores pode dar, portanto, aquilo que se chama um ar conhecido.”

Fonte: Livro:  “Livro do Espíritos ” –  Autor :Allan Kardec – Pergunta 217

PRECE A SANTO AGOSTINHO

msg 2712

Ó Deus! Formosura sempre antiga e sempre nova – quão tarde Te amei!…
Tu estavas em meu coração – e eu Te buscava lá fora…
Tu estavas comigo, mas eu não estava Contigo.
E, então, Tu me chamaste em altas vozes…
Rompeste a minha surdez… relampejaste e afugentaste a minha cegueira… recendeste suaves perfumes em torno de mim, e eu os sorvia – e, agora, vivo a suspirar por Ti…
Saboreei-Te, e, agora, tenho fome de Ti… tocaste-me de leve – eu me abrasei em tua paz.
Quanto mais Te possuo, tanto mais Te procuro…
Que eu me conheça a mim para que Te conheça a Ti.

Santo Agostinho

Fonte: Livro: “Ao Coração de Deus ” Autor: Paiva Neto – Essa Prece faz parte da autobiografia escrita por Santo Agostinho no Livro “Confissões”.
Biografia: Santo Agostinho ( 354 – 430) – Bispo Católico, escritor,  teólogo e filósofo – http://pt.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Hipona

 

 

APRENDAMOS A DIVIDIR

msg 2612

Aprendamos a dividir a felicidade para que a felicidade dos outros se multiplique. Observemos a natureza.
O sol divide com a Terra os seus raios de amor e a Terra lhe entesoura a energia, em favor do progresso das criaturas.
A fonte divide as águas auxiliando a vegetação que, mais tarde, a protege.
A árvore divide os frutos com os homens e os homens lhe estende a espécie, através do espaço e do tempo.
As flores dividem o néctar com as abelhas e as abelhas lhes garantem abençoada fecundação.
Tuas horas e tuas forças, conhecimentos e recursos, quaisquer que sejam, são concessões do Todo-Compassivo em tuas mãos, que podes repartir com próximo, a benefício de ti mesmo.
Auxiliar alguém é fazer o investimento da verdadeira alegria e toda alegria no exercício do bem é dom de vida e luz que nos aproxima de Deus.
Aprendamos a dividir os depósitos do Senhor, enquanto é hoje, a fim de que o Amparo Divino mais intensamente nos envolva, enriquecendo-nos o espírito para que venhamos a receber com os outros e pelos outros perfeita felicidade amanhã.

Emmanuel

Fonte: Livro “PASSOS DA VIDA ”- Por Espírito Diversos – Médium: Francisco Cândido Xavier

 

NATAL

msg2512

“Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra e boa-vontade para com os homens.” –

LUCAS, 2:14

As legiões angélicas, junto à Manjedoura, anunciando o Grande Renovador, não apresentaram qualquer palavra de violência.Glória a Deus no Universo Divino.
Paz na Terra.
Boa-vontade para com os Homens.
O Pai Supremo legando a nova era de segurança e tranqüilidade ao mundo, não declarava o Embaixador Celeste investido de poderes para ferir ou destruir.
Nem castigo ao rico avarento.
Nem punição ao pobre desesperado.
Nem desprezo aos fracos.
Nem condenação aos pecadores.
Nem hostilidade para com o fariseu orgulhoso.
Nem anátema contra o gentio inconsciente.
Derramava-se o Tesouro Divino, pelas mãos de Jesus, para o serviço da Boa-Vontade.
A justiça do “olho por olho” e do “dente por dente” encontrara, enfim, o Amor disposto à sublime renúncia até à cruz.
Homens e animais, assombrados ante a luz nascente na estrebaria, assinalaram júbilo inexprimível…
Daquele inolvidável momento em diante a Terra se renovaria.
O algoz seria digno de piedade.
O inimigo converter-se-ia em irmão transviado.
O criminoso passaria à condição de doente.
Em Roma, o povo gradativamente extinguiria a matança nos circos.
Em Sídon, os escravos deixariam de ter os olhos vazados pela crueldade dos senhores. Em Jerusalém, os enfermos não mais seriam relegados ao abandono nos vales de imundície.
Jesus trazia consigo a mensagem da verdadeira fraternidade e, revelando-a, transitou vitorioso, do berço de palha ao madeiro sanguinolento.
Irmão, que ouves no Natal os ecos suaves do cântico milagroso dos anjos, recorda que o Mestre veio até nós para que nos amemos uns aos outros.
Natal! Boa Nova! Boa-Vontade!…
Estendamos a simpatia para com todos e comecemos a viver realmente com Jesus, sob os esplendores de um novo dia.

Fonte: Livro “FONTE VIVA”- Pelo pelo Espírito Emmanuel – Médium : Francisco Cândido Xavier